Compêndio de História da Filosofia

Author: Academia de Ciências da URSS - Instituto de Filosofia

Subject: Marxismo

Publisher: Editorial Vitória (2016-08-27)

UID-1170798534181121

Compêndio de História da Filosofia ebook cover
O estudo da história da filosofia é tanto mais necessário porquanto a filosofia encerra em si, na forma mais concentrada, a ideologia, a concepção do mundo dos homens em cada etapa histórica determinada, o estado da ciência, em particular das ciências naturais, as relações de classe do seu tempo. A história da filosofia reflete de forma sintética a história do desenvolvimento do pensamento humano, de seus conhecimentos, de sua cultura. Engels observa que o estudo da história da filosofia constitui uma formidável escola para a formação de uma mentalidade teórica. É também conhecida a importância que deram à história da filosofia os fundadores do marxismo-leninismo. Marx, em suas obras "Sobre a diferença entre a filosofia da natureza de Demócrito e a filosofia da natureza de Epicuro", "Crítica da Filosofia do Direito de Hegel" e em suas obras de colaboração com Engels "A Sagrada Família", "A Ideologia Alemã", Engels no "Anti-Dühring", no seu "Ludwig Feuerbach", na "Dialética da Natureza" e outras obras, fizeram profunda análise da história da filosofia universal e das concepções dos seus diversos representantes. Lenin atualizando os problemas da dialética materialista, estudou minuciosamente as obras de maior destaque da filosofia clássica ("Metafísica" de Aristóteles, "A Ciência da Lógica" e "A História da Filosofia" de Hegel, "A essência do cristianismo" de Feuerbach, etc.). A luta entre o materialismo e o idealismo, é o traço característico de toda a história da filosofia. O maior problema da filosofia é o da relação entre o pensar e o ser. "Os filósofos se dividiam em dois grandes campos, conforme a resposta que dessem a essa pergunta. Os que defendiam o caráter primário do espírito com relação à natureza, admitindo, por consequência uma criação do mundo sob uma ou outra forma (e em muitos filósofos, em Hegel, por exemplo, a gênese é bastante mais complicada e inverossímil do que na religião cristã), formavam o campo do idealismo. Os que, ao contrário, atribuíam à natureza o caráter primário, figuram nas diversas escolas do materialismo".(2) Marx, Engels, Lenin e Stalin põem à descoberto o caráter classista e partidarista da filosofia. A luta entre as classes e os partidos, na sociedade, se traduzem, na filosofia, principalmente sob a forma de luta entre o materialismo e o idealismo. "A moderna filosofia — assinala Lenin — tem o mesmo caráter partidarista que a de dois mil anos atrás. São os partidos em luta... são o materialismo e o idealismo".(3) Neste conflito encontra sua expressão a luta entre as concepções do mundo que, por seu lado, refletem os interesses e as tendências das classes hostis entre si. O desenvolvimento da filosofia, como de toda ideologia, é determinada, antes de tudo, pelas condições sociais. Os interesses de classe determinam o caráter da evolução da filosofia, de suas tendências fundamentais e dos pontos de vista que orientam o pensamento filosófico. A filosofia materialista representa, como norma, precisamente a ideologia das classes progressistas e revolucionários indicando caminhos seguros à ciência. A ideologia do proletariado revolucionário — o materialismo dialético combate intransigentemente todas as escolas anticientíficas, idealistas e materialistas vulgares, toda espécie de obscurantismo religioso, a ideologia putrefacta da moderna burguesia imperialista. A tarefa fundamental da filosofia do marxismo-leninismo, consiste não só em interpretar o mundo, mas também em modificá-lo. Por isso, seu eixo é a luta pela linha geral do Partido, pela atividade prática, pela militância. O materialismo dialético sintetiza a experiência da luta histórica da classe operária, permitindo, sobre esta base, a compreensão não só dos atuais acontecimentos sociais, mas ainda como eles se desenrolarão no futuro. O materialismo dialético, como a mais avançada concepção científica do mundo, está indissoluvelmente ligado à ciência, às ciências naturais, identificando e sintetizando de maneira filosófica os resultados obtidos. A história marxista-leninista da filosofia examina a evolução do filosofia não como uma mudança casual de diversas teorias filosóficas, mas como um processo sujeito a certas leis. A história da filosofia constitui parte da história geral da sociedade humana, é a expressão filosófica de interesses de classe historicamente determinados. Ao mesmo tempo, porém, o desenvolvimento do pensamento filosófico como de toda ideologia, possui uma relativa independência, sua lógica interna e suas leis internas pelas quais se orienta. Todo sistema filosófico sendo condicionado, em última análise, às relações sociais e pela base material da sociedade, se apoia no desenvolvimento ideológico precedente, no realizado pelos sistemas, escolas e correntes filosóficos anteriores.